Kindermann lembra em Caçador a tragédia da Chapecoense. Por Andrielli Zambonin

Kindermann lembra em Caçador a tragédia da Chapecoense.  

Por Andrielli Zambonin

Há um ano o céu fechou, os microfones se calaram. O dia mais triste na história da Chapecoense, 29 de novembro de 2016, aconteceu a tragédia no voo que levava 77 passageiros a Colômbia para disputar a final da Copa Sul Americana. A alegria pela conquista de ter chegado tão

Kindermann

longe foi tomada pelo horror e desespero. O avião bateu de barriga no alto de um morro, capotou e deixou 71 mortos. Deixou ainda uma cidade de mais de 166.040 mil habitantes devastada, deixou um Estado com 6,727 milhões de pessoas em lágrimas, e voltou os olhos do mundo inteiro para o Brasil em solidariedade a Chapecó.

Para lembrar o momento de dor e em demonstração de respeito e solidariedade, a Associação Esportiva Kindermann lembrou a data com um minuto de silencio durante treino desta terça-feira, 28.

O coordenador do Kindermann/Uniarp, Jonas Estevão, destaca que o ocorrido deixou o mundo do esporte abalado. “Tanto no esporte masculino como no feminino foram abalados com a tragédia. Até mesmo pessoas que não eram da área esportiva se sensibilizaram, acho que o mínimo que o time poderia fazer era um minuto de silêncio em respeito a essa data que será lembrada com dor eternamente por todos que viveram este momento”, destaca.

Tauane jogando pela Chape

A atleta do Kindermann/Uniarp, Tauane Sousa, estava jogando a Copa do Brasil com a Chapecoense (time feminino de base) semanas antes de a tragédia acontecer. Ela lembra que o time estava empolgado com a fase que vivia. “Jogar em Chapecó foi uma experiência bacana, minha primeira Copa do Brasil adulta e fomos muito bem recebidas por Chapecó. Tivemos contato com os jogadores que estiveram na tragédia, quando íamos reclamar de alguma dor sempre tinha um jogador do elenco principal deles conosco na fisioterapia. Encontrávamo-nos na Arena Condá quase sempre. Pareciam estar bem animados com a fase que estavam vivendo. Eu particularmente amo aquele lugar e a maneira com que eles receberam o futebol feminino naquela competição”.

 

 

_________________________________________________________

Sobre a autora:

Andrielli Zamboni, 19 anos, mora em Caçador, onde trabalha como repórter do Jornal Extra. É também assessora de imprensa do time de futebol feminino Kindermann, além de blogueira no Espalhafatos. É ainda acadêmica de Jornalismo na Uniarp. Já foi assistente do Portal Caçador de Notícias. É membro da ACIJO Associação Caçadorense de Imprensa. Contribui também com o Portal Torcedores.com onde está na fase Juniores. É voluntária na comunicação da Acaritas Solidariedade de Caçador. Contribui também com a criação de conteúdos para a página no Facebook “Mulheres Jornalistas”.

  1. S. : Os conceitos emitidos por artigos ou por textos assinados e publicados neste jornal são de inteira responsabilidade de seus respectivos autores.

________________________________________________________________________

Mensagem do editor:

Textos e imagens de propriedade do Jornal Caboclo podem ser reproduzidos de modo parcial, desde que os créditos autorais sejam devidamente citados.

Comuniquem-nos de possíveis correções.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial